sexta-feira, 19 de junho de 2015

Pequenas histórias #1


Estou a escrever-te outra vez. Demorei alguns minutos até escrever a primeira frase; confesso que foi difícil – primeiro – controlar um sorriso e – depois – uma gargalhada. Ainda estou a tentar parar este riso, que só aparece quando não deve, porque nada disto tem graça.
Deixaste-me, aqui, sozinha na única vez que te pedi para ficares. Não te estou a condenar, porque a verdade é que, até hoje, te abandonei sempre que pude. E, por mais que me custe, sei que o irei fazer mais vezes. Não consigo, mesmo quando quero, ficar quando estás ao meu lado; quando estás só comigo e me queres inteira só para ti. Quando te conheci pensei que fossemos como ímanes, sabes? Pensei que a tua proximidade seria, por consequência, a minha proximidade também. Acreditei que desta vez seria capaz de ser inteira contigo; mas talvez me tenha esquecido de uma coisa: entregar-me sem reservas. Porque a verdade é que se uma parte de mim quer, finalmente, deixar de resistir, a outra só consegue procurar a saída mais próxima.
E agora, estou eu aqui – sentada na minha cama (que tantas vezes foi nossa) – a pedir-te para voltares. Só eu para cair, repetidamente, nestas contradições e achar graça a esta ironia. Sim, ainda não consegui parar este (maldito) riso.
Dream cate

2 comentários :

  1. É difícil quando não sabemos bem o que queremos.... Stay strong! :)

    ResponderEliminar
  2. Há momentos em que oscilamos entre o querer e o não querer. Mas talvez isso aconteça porque ainda não encontramos o caminho/pessoa certo/a que nos faça querer ficar.

    ResponderEliminar

Copyright © 2014 DreamCate

Distributed By Blogger Templates | Designed By Darmowe dodatki na blogi